18 de setembro de 2021
  • 11:38 5 de Outubro Dia Mundial do Professor
  • 18:11 A extraordinária visita de indígenas isolados a uma aldeia remota no Acre
  • 12:00 Após descartar existência de ‘Caixa 2’, STF julga se caso de corrupção deve se ‘perpetuar’ na Justiça Eleitoral
  • 10:33 Por discurso de ódio aos indígenas Bolsonaro e Funai são alvo de denúncia do MPF
  • 18:59 Parque das Tribos será beneficiado com mais de 8 Km de rede de abastecimento de água

Depois de ter a fotografia divulgada após prisão por policiais militares da Ronda Ostensiva Cândido Mariano (ROCAM), da Polícia Militar amazonense, Adriel Amorim Ribeiro, 28, vulgo ‘DEL’, também foi reconhecido por agricultores que disputam a posse de terras da União ao longo da BR-319 em direção à Capital rondoniense.

Ele foi preso na posse de armas de grosso calibre, munições e drogas na região Centro-Sul de Manaus (Avenida Torquato Tapajós) sob a suspeita, ainda, da autoria de vários crimes sob encomenda por uma das facções mais temidas da Capital amazonense em mais de três crimes contra rivais atribuídos ao acusado.
Situantes das Linhas e Ramais dos quilômetros 11, 13, 17, 36, 42 e 46, na BR-319, no município de Canutama, revelaram no último final de semana que, ‘DEL’ por uns tempos teria se escondido em fazendas e em áreas de conflitos no entorno dos rios Azul, Mucuim e Ipixuna – este na região de Humaitá -, ramais Maravilha e Jatuarana, onde alguns crimes continuariam não descobertos pela Polícia rondoniense.
Revelaram, ainda, que um suposto parceiro de ‘Del’, que se apresentaria como tratorista passou uma temporada escondido entre as linhas que circundam os Rios Azul, Mucuim e em fazendas ao redor do Projeto de Assentamentos do INCRA. E que o comparsa após a tentativa de homicídio a um coronel da Polícia Militar de Rondônia tenha fugido para a cidade de Apui, no extremo Sul do Amazonas, retornou à região há pouco tempo depois de passar por Parintins, no Médio Amazonas.

No dia 15.07.20 , um agricultor foi assassinado no Projeto de Assentamento do INCRA no Sul de Lábrea (Seringal São Domingos)


Temido pistoleiro de uma das facções mais temidas dentro e fora das cadeias amazonense, ‘DEL’ foi apresentado em coletiva de imprensa pelo Secretário de Segurança, Coronel Louismar Bonates, pelo Comandante Geral da PM, Ayrton Norte e pelo Delegado-Adjunto, Orlando Amaral, fato que atiçou a memória de agricultores desta região que reafirmaram, contudo, que, ‘como DEL, há outros pistoleiros escondidos em fazendas e áreas de extração ilegal de madeiras no Sul de Canutama e Lábrea’.
Os agricultores informaram que ‘é comum vermos bandidos fortemente armados, vindos da tripla divisa do Acre, Rondônia e Amazonas, circularem livremente em propriedades rurais do Sul de Canutama e Lábrea portando armamentos pesados, inclusive fuzis AK-47, pistolas P.40 e escopetas de repetição’.
No dia da ‘emboscada’ contra o coronel rondoniense e do assalto ao carro-forte, ocorrido meses atrás dois dos bandidos, após o insucesso no assalto ao carro- de valores, perambularam por dias entre uma fazenda e outra dos quilômetros 17, 30, 36, mas, que os bandidos haviam se escondido por mais tempo numa propriedade do quilômetro 42, antes dos postos de inspeção da IDARON, onde a Polícia Federal explodira uma antiga pista clandestina, supostamente, usada por narcotraficantes que lançavam drogas de aviões pequenos ao longo do Rio Mucuim.
Além de ‘DEL’, os nativos da região do Rio Açuanópolis, nas proximidades de uma antiga vila de caiçaras que viviam da pesca, da coleta de sementes de Andiroba, de óleo de Copaíba e outras essências naturais, além da pesca e da caça, eles registraram a presença na região do temido de Maxiiliano Dourado (O MAX) e de um dos seus braços direito, conhecido por ‘Roque Santeiro’, presos durante operações da Polícia Federal.

Atualmente, depois da prisão de ‘DEL’ em Manaus, sitiantes e assentados em projetos de assentamentos sob a responsabilidade das unidades do INCRA de Rondônia e Amazonas, de quando em vez disseram que sofrem ameaças por parte de ‘guaxebas’ (jagunços) – que estariam a serviço de grileiros, madeireiros e fazendeiros que disputam a posse da terra que ocuparam, mansa e pacificamente, por sessão do Programa Nacional de Reforma Agrária (PNRA).

Fonte: News Rondônia

Redação Redação

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT