18 de setembro de 2021
  • 11:38 5 de Outubro Dia Mundial do Professor
  • 18:11 A extraordinária visita de indígenas isolados a uma aldeia remota no Acre
  • 12:00 Após descartar existência de ‘Caixa 2’, STF julga se caso de corrupção deve se ‘perpetuar’ na Justiça Eleitoral
  • 10:33 Por discurso de ódio aos indígenas Bolsonaro e Funai são alvo de denúncia do MPF
  • 18:59 Parque das Tribos será beneficiado com mais de 8 Km de rede de abastecimento de água

“Não tem alegria não, é muito triste”, diz desolado o cacique Marcão Xavante, por telefone à RFI Brasil, de Campinápolis, a 602km de Cuiabá (MT). O hospital da cidade atende a população de dez mil xavantes de 146 aldeias da região – a mais longe fica a 214km. “Existem mais óbitos [de coronavírus] entre as populações indígenas – 491 mortes, do que em alguns países da América Latina”, alerta o epidemiologista José Carlos Basta.

O líder xavante explica que cada microárea tem um pequeno posto com um técnico e uma enfermeira, mas que todos estão com medo. Já são cinco óbitos, quatro pessoas internadas e 48 em isolamento. “Os indígenas estão se tratando nas aldeias com remédio caseiro, natural do mato, não temos máscaras, nem álcool gel”, diz.

Segundo a APIB (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil), até o dia 12 de julho as vítimas eram de 491 mortes, 13.801 casos de contaminação e 131 povos étnicos atingidos no país. Campanhas pelas redes sociais e a imprensa internacional repercutem o descaso do governo brasileiro em relação ao problema.

Saúde e sobrevivência de etnias em risco “A situação de vulnerabilidade imposta aos povos indígenas no presente momento vai além de problemas ambientais, doenças infecciosas e parasitárias, explica Paulo César Basta, epidemiologista e especialista em saúde indígena. “Os povos indígenas do Brasil na atualidade sofrem um ataque a seus direitos – humanos, originários, constitucionais e territoriais. E com isso estão colocando em risco a saúde e a sobrevivência de muitas etnias. Isso são consequências de ações do governo federal, que tem sistematicamente desqualificado os direitos indígenas e tem fomentado a invasão dos territórios tradicionais”, diz.

“Por conta disso, essas populações vivem em estado permanente de ameaça e vulnerabilidade e têm seus territórios invadidos com frequência por garimpeiros, madeireiros, por toda sorte de pessoas interessadas em ocupar a Amazônia e as riquezas presentes na região. Isso coloca as populações em situação de risco para vários agravos e problemas de saúde”, relata Basta, pesquisador titular na Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

“Podemos destacar, em relação à mineração: a destruição do meio ambiente, a devastação do território, a invasão de milhares de não indígenas, a poluição dos rios com o mercúrio utilizado no garimpo, a contaminação dos peixes e das pessoas. Além disso há o risco de transmissão de doenças infecciosas e parasitárias. Sejam respiratórias, como pneumonia, influenza e, atualmente, a Covid-19. Mas também doenças sexualmente transmissíveis, passadas por vetores, picadas de insetos. Costumamos dizer que no rastro do garimpo, segue também a malária”, segundo Paulo Basta.

Fonte: UOL

Redação Redação

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT